MEIO AMBIENTE

MEIO AMBIENTE

Gil Monteiro*

Estamos muito motivados pelo meio social que nos rodeia. As notícias são, mais do que nunca, de caráter arrasador: pais matam filhos, ainda bebés, descendentes familiares esfaqueiam-se, tiram a vida, mesmo aos avós ou pais adotivos, que os criaram com carinho; motivados por uns míseros dinheiros para compra de pó de cocaína! Deitam mortos-vivos aos poços, e ateiam fogo às casas e carros roubados. As pseudo-lutas pela sobrevivência levam-os ao suicídio. Mas, cada vez mais preocupante, é o ar de apodrecimento que nos rodeia nas ruas. Os locais habitáveis, conspurcados e poluídos, vão no caminho da extinção acelerada da vida humana – (?) Antes das emigrações extraterrestres! Às máculas psicológicas juntam-se as degradações do meio ambiente. Com o recuo dos glaciares, e milhões de toneladas de plásticos nos mares, como iremos sobreviver?! Será possível voltar a ter uma sardinha assada, entre duas fatias de broa?! O peixe e os mariscos de alguns restaurantes são de aquários. As postas de salmão grelhadas são bem bonitas, e o paladar? Faltam os aromas do mar aberto e rios onde devia saltar! Mas, vai-se comendo… Agora o sável, que vi pescar às centenas, na Ribeira do Porto, nem o nome “cheira” as listas dos bons restaurantes.

São as calamidades e, principalmente, as guerras que aguçam o engenho. Foi numa fábrica de armamento que se descobriu os efeitos das micro-ondas! A alta tecnologia de Portugal, com o sábio Pedro Nunes, permitia a chegada à India, a chegada das especiarias baratas para condimentar os alimentos, em especial as carnes de porco. As alheiras de Mirandela devem uma pitada aos bravos marinheiros que chegaram ao Novo Mundo. Mais: nas descobertas os navegantes eram maioritariamente de Trás-os-Montes e Minho – lembro Diogo Cão e Fernão de Magalhães…

É preciso um grande esforço cultural dos vários povos, curiosamente, os mais evoluídos, a fim de suster a catástrofe de tornar o globo terrestre impróprio para a vida dos seres biológicos. As transformações geológicas e climáticas levam milhões de anos para as mudanças radicais, mas agora são mais rápidas, basta lembrar que nas guerras púnicas os elefantes do norte de África eram animais de combate! As tribos indígenas praticam regras de existência muito ecológicas. Nos povos das nações prósperas existem tipos de poluição diferentes e dependem muito das indústrias e armamentos. O Canadá, mercê da sua grande superfície e pouca população (culturalmente escolhida) o que não devia ser autorizado, é o que mais respeita e divulga os bons hábitos de conservação dos vários meios ambientes. Vi, em Toronto, um cavalheiro novo a passear pela trela o seu bonito cão buldogue, em encosta de terrenos descampados e relvados, tirar a trela para as correrias do animal e, ao vê-lo parado, para as necessidades fisiológicas, pensei:

– Sorte! A relva vai agradecer o estrume!

O cavalheiro trepou o canteiro e recolheu os excrementos! (A observação tem mais de vinte anos).

No tempo em que havia campos de cereais no Alto Douro, as caçadas às rolas e perdizes eram acontecimentos de monta, os donos das quintas, a residirem na cidade do Porto, programavam as ações cinegéticas. Ainda mal rompia a aurora, já as portas do armazém dos vinhos finos velhos estavam abertas para o mata-bicho dos donos e amigos. O almoço iria ter com eles ao monte combinado.

As caçadas podiam ser fracas, apesar de caçadores locais “profissionalizados”, mas as comezainas eram abundantes e excelentes. No final do piquenique, o Smith passava vistoria ao acampamento. Tudo recolhido, mesmo os papéis de jornal, começava o regresso a cantar! Os odores exalados chamariam outras perdizes, mas alto…

– Ó António, os ossos da galinha são para enterrar, não para esconder nas giestas!

Porto, 27 de agosto de 2014                                                * José Gil Correia Monteiro

jose.gcmonteiro@gmail.com

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s